terça-feira, 20 de Fevereiro de 2007

Espanha...um exemplo a seguir

No Expresso desta semana, no comentário de Miguel Sousa Tavares lia-se:
"...É por estas e por outras que eu cada vez admiro mais os espanhois. Disseram-lhes que tinham de adoptar ops horários e hábitos de vida europeus e eles continuaram com a sua sagrada sesta. Quiseram-nos proibir de fumar em todo o lado e eles não levaram a sério. Deram-lhes uma lei do aborto igual à que nós tinhamos e eles levaram-na a sério e não deixaram que o lóbi dos médicos católicos a boicatasse. Ousaram sugerir a proibição dos touros de morte e eles responderam "nem se atrevam!" E, com tanta resistência pacifica e cívica a Espanha é hoje um dos mais modernos e civilizados paises do mundo. Continuando fiel à sua identidade. Um país que não respeita as suas tradições não presta. Um país que não respeita os seus hábitos e a sua cultura, não existe: é assim uma espécie de alforreca, sem cor, nem cheiro, nem identidade. Uma Maria vai com todos."
E é isto que eu defendo desde a muito tempo. Os espanhois, não ligam nenhuma àquilo que a UE lhes diz, e não foi por isso que não evoluiram! Antes pelo contrário, são hoje dos países mais evoluidos. Enquanto nós, portugueses, que tentamos seguir à risca a recomendações da UE, continuamos parados no tempo e tentamos arranjar culpados para a situação, quando os culpados somos nós.

quinta-feira, 8 de Fevereiro de 2007

Bill Gates e as novas tecnologias

"During the last decade, digital technology has changed the world in profound and exciting ways. Today we communicate instantly with the people we care about without worrying about traditional limitations of time and location. At work, we collaborate with colleagues in distant cities. Global supply chains enable businesses to manufacture products and move them to market with incredible speed and efficiency. Mobile devices ensure that we are productive no matter where we are.
But these changes are just the beginning. As more and more of the world's information, commerce, and communications moves to digital form, it will open the door to a new world of connected experiences that link our interests and our communities into a seamless whole that extends across home, work, school, and play.
Already, a new generation of technology is transforming expectations for how we will conduct business, communicate, access entertainment, and much more. Increasingly, people envision a world of anywhere access - a world in which the information, the communities, and the content that they value is available instantly and easily, no matter where they are.
Of course we're not quite there yet. But whether we get there or not is no longer a question of the power of our devices and the speed of our connections. The real issue today is security. Ultimately, anywhere access depends on whether we can create and share information without fear that it will be compromised, stolen, or exploited.
The answer lies in trust - in creating systems and processes that are always secure so that people and organizations have a high degree of confidence that the technology they use will protect their identity, their privacy, and their information. This is an imperative that transcends any one company. Success will require hard work and extensive cooperation between companies, governments, and organizations from around the world.
Trust and security are critical priorities for Microsoft. Because you are a subscriber to the Microsoft Executive Email program, I wanted to share my thoughts with you about the changing nature of security and the work that is being done at Microsoft to advance trust in computing and to help pave the way for future connected experiences based on secure and easy anywhere access.
Connectivity and the Evolving Threat Landscape
Today, connectivity - the basic foundation for anywhere access - can be a double-edged sword. Connectivity that streamlines the flow of information and communications can also open the door to malicious users. Meanwhile, where publicity once motivated many digital attacks, criminal financial gain is behind most security threats today. So in addition to viruses and worms, we must contend with spyware that logs keystrokes; rootkits that are used to hijack computers; and social engineering threats where criminals try to trick people into divulging the personal data needed to exploit digital information.
How widespread is the problem? In the United States last year, security breaches - some inadvertent, some purposeful and criminal - exposed the personal information of more than 100 million people. In 2005, 46 percent of fraud complaints filed with the U.S. Federal Trade Commission were Internet related. A 2006 report from the Cyber Security Industry alliance noted that 50 percent of Internet users are afraid their credit card information will be stolen. No company is immune to the danger. Malware targets products from virtually every software vendor. Every business is vulnerable to the risks that come with unauthorized access to corporate information.
In this changing threat environment, striking the right balance is extremely difficult. Easy access speeds communications but increases the danger that confidential information will be exposed. Stringent security measures reduce risk, but can make it too difficult for employees to access information or communicate with customers and partners and too complex for IT professionals to deploy and manage solutions.
The Road to Trust
Achieving the levels of trust needed to make connected experiences based on anywhere access possible will require an industry-wide effort to change the way we approach digital identities, build networks, and protect information.
The evolution of identity: The proliferation of identities and identity systems is a significant problem and a difficult challenge. We all struggle to remember an ever-growing number of user names and passwords as we move between systems at work and home. Because it is unlikely that a single digital identity system or technology will be universally adopted, a different approach is required - an approach based on creating a system of systems that provides the interoperability needed to link all identity solutions and technologies. This "identity metasystem" will be able to take advantage of the strengths of existing and future identity technologies while enabling the creation of a consistent and straightforward user interface. Solutions built on top of this metasystem will enable digital identities to be managed and protected effectively and easily.
The evolution of networks: To resolve the tension between providing access and maintaining security, new technologies for managing the way people and information move between corporate networks and the Internet are essential. In the face of a rapidly evolving threat landscape, the firewall - the fundamental tool for managing network security today - is no longer adequate. A better approach is security that is based on policy. With policy-based security, the rules that govern access to networks, resources, and information can be enforced seamlessly across platforms and devices.
The evolution of protection: It is impossible to overstate the importance of providing the right levels of privacy and information protection so that users can trust that their information is secure. To achieve this, we must be able to protect information not only when it is in transit, as we do today through encryption, but also on the server, the desktop, mobile device, and wherever else it may reside. Policy will also play an important role in the evolution of protection. By applying policy when information is created, we can enable information to flow freely and safely across systems and networks while maintaining appropriate control over how it is used, and by whom.
Security, Reliability, and Privacy: Trustworthy Computing at Microsoft
At Microsoft, Trustworthy Computing provides the foundation for the work we do to create trusted computing experiences. Announced five years ago, Trustworthy Computing is a core principle that places security, reliability, and privacy at the center of all of our efforts. One example of the impact of Trustworthy Computing is the Secure Development Lifecycle, a rigorous software development process that makes security a critical focus for every line of code that we write.
Trustworthy Computing is an important reason why Windows Vista is the most secure operating system that Microsoft has ever delivered. Developed from the ground up using the Secure Development Lifecycle process, Windows Vista includes new security features that help computer users protect sensitive information and give IT administrators new ways to protect corporate networks and preserve data integrity and confidentiality.
Windows Vista also offers new controls that enable parents to manage exactly what their children can do on the computer. These controls allow parents to restrict computer use to specific times and determine which games their children can play, which programs they can use, and which Web sites they can visit.
The 2007 Microsoft Office system and Microsoft Exchange Server 2007 were also built using the Secure Development Lifecycle, and they include a wide range of new security features that help protect against phishing scams and other threats to privacy and information security.
Together, Windows Vista, the 2007 Office system, and Exchange Server 2007 represent an important step forward in Microsoft's efforts to deliver tools to help protect information and privacy. And we continue to focus on developing comprehensive security solutions for consumers and businesses that provide more secure, controlled access to information and network resources. Examples include:
Windows Live OneCare: A comprehensive service for consumers, Windows Live OneCare automatically manages important PC maintenance and security tasks.
Microsoft Forefront: Designed for businesses, Microsoft Forefront is a family of security products that provides advanced protection against the latest threats and enables secure access across client operating systems, application servers, and the network edge, with a focus on simplified management and integration with existing IT infrastructure.
Identity Lifecycle Manager 2007: Building on Microsoft Identity Integration Server, Identity Lifecycle Manager 2007 adds new capabilities for managing strong credentials such as smart cards while providing an integrated approach that links certificate and password management and provisioning across Windows and enterprise systems.
Windows CardSpace: An important component of Microsoft's efforts to create an identity metasystem, Windows CardSpace enables any Windows application to provide users with a common way to work with digital identities so that people can use their digital identities on any machine, running any operating system.
Achieving Trust Through Industry Partnership and Collaboration
Before trust can become a reality, systems, processes, programs, and applications must work together reliably and securely. That is one important reason why Microsoft is committed to interoperability: before digital identities and information protected by policy-based security can move seamlessly between platforms and devices, systems must be able to interoperate. Today we are working closely with governments, organizations, and partners to create and implement industry-wide standards that will enable systems and applications to work together so that connectivity can be seamless and pervasive, and people can access digital information more securely no matter where they are or what device they have at hand.
Examples of industry partnerships and initiatives aimed at enhancing interoperability and improving trust and security include:
Interop Vendor Alliance: Launched in November, 2006, this global group of software and hardware vendors is working together to enhance interoperability through scenario-based testing and by sharing information about interoperability solutions with customers.
Microsoft Network Access Protection (NAP): This policy enforcement platform built into Windows Vista and Windows Server "Longhorn" helps ensure that only safe devices can access networks. More than 100 technology partners in the networking and security industry have joined the NAP ecosystem and have products that work with NAP.
SecureIT Alliance: This Web-based community was created to enable companies across the industry to develop, enhance, and promote applications that interoperate with the Microsoft platform. A central clearinghouse for security technology professionals, the SecureIT Alliance includes more than 100 members from countries around the world.
In addition, during the development of Windows Vista, Microsoft worked closely with leading security companies including Symantec and McAfee to provide technical support resources, access to application testing and compatibility labs, and developer training. Our goal is to ensure that our partners have the information they need to provide consumers with a broad range of security and safety software and services that can help to make computing experiences safer from the moment they begin using Windows Vista.
Today, nearly 1 billion people use digital technology in their day-to-day lives to communicate, connect, and create. As we continue to work together as an industry to create trust, we will be able to deliver incredible new connected experiences that transform the way people explore ideas, exchange goods and services, teach and learn, and share experiences with the people they care about. In the process, we have the opportunity to bring new levels of value and excitement to each of those 1 billion people, and hundreds of millions more.
Bill Gates"

PS: Para uma tradução rápida, podem utilizar vários tradutores online. Procurem no google: tradutores online; e escolham um que vos pareça bom.

sexta-feira, 12 de Janeiro de 2007

Aborto - direito à vida não é violado

(1) "Se os fetos têm direito moral à vida, então o aborto é errado"
(2) "Os fetos têm direito moral à vida"

Partindo desta premissa, Judith Thomson, concorda com a 2, mas não com a 1. Pode ser verdade que os fetos tenham direito moral à vida, mas o direito moral à vida não confere o direito de utilizar o corpo de outra pessoa contra a sua vontade (da pessoa), mesmo que isso seja necessário à vida (do feto).
O aborto não viola o direito à vida do feto.

Está assim reunido mais um argumento a favor do aborto, a juntar a muitos outros.

terça-feira, 9 de Janeiro de 2007

A comercialização da informação

Estes ultimos anos temos assistido diáriamente à devastação da nossas florestas. Os incêndios, segundo os media, são piores que nunca. As pessoas afirmam nunca ter visto algo assim. No entanto em 1992 arderam 398 mil hectares de floresta, mais do que o ardido em 2003. Porém naquela altura não foi declarado o estado de calamidade pública por parte do governo, nem os incêndios fizeram parte em noticiários estrangeiros, nem sequer fizeram parte da conversa rotineira portuguesa.
Uma das coisa que se passou na altura foi a falta da concorrência à RTP. Hoje, temos a SIC, TVI e RTP, como os 3 grandes da informação. Ora este desenvolvimento das cadeias televisivas, para além da RTP trouxe uma maior exigência por parte dos consumidores, por exemplo, a TVI e SIC que para combaterem as audiências da concorrência incluem em quase todos os seus programas um rodapé com jogos de apostas, em que as pessoas ligam, pagam a chamada, apostam e vêm o jogo como uma chance de ganharem dinheiro extra para a familia. Para além disso outra das respostas dos media a esta exigência foi encontrar “o gosto português” e explorá-lo ao máximo.
As noticias passaram a ter todo o tema possível e imaginário, e se fosse um escandalo ou algo mais extravegante, então era audiência garantida. Passam noticias para venderem o seu próprio produto, para fazer dinheiro.
A verdade é que os media têm tendencia a esculpir a noticia pelos modos mais atraentes, ou mais aterradores de modo a atrair o publico. A noticia, novela ou série é o seu produto e têm de a vender. Infelizmente assim estão cada vez mais a contribuir para uma geração de ignorância e de aficionados à televisão. Cada vez mais se janta a ver televisão, normalmente à hora dos noticiários, em que são bombardeados titulos e imagens com pouca descrição, frases ambiguas, e noticias altamente parciais. Os media assim, muito subtilmente passam as ideias que querem ver passadas, tais como a crise em que se encontra o país ou o mau desempenho do governo. A informação é altamente manipulada antes de chegar ao seu consumo. Tomemos como exemplo os incêndios. Em 1992 não havia concorrência e pouco se os divulgou. Em 2003 os incêndios estavam dentro dos parametros, e mesmo assim foi declarado o estado de calamidade publica.
Mas será esta a verdadeira informação? Não, e infelizmente não defende a protecção das casas ou matas, é apenas a necessidade de agarrar o telespectador ao ecrã.
Infelizmente é impossivel controlar a informação e/ou filtrá-la. Muito menos criar uma entidade controladora. Citando Juvenal – “Quem guardará os guardas?” pergunta-se.
A solução passa por uma maior sensibilização da parte dos consumidores de modo a exigir informações limpas, provenientes da fonte.

segunda-feira, 8 de Janeiro de 2007

O preço certo em €

"Assim, às 16h19, a PT valoriza 1,01% para os 10,00 euros, pela primeira vez desde Abril de 2006.
O 'Financial Times' sugere na sua edição de hoje que a administração e os accionistas da PT só deverão considerar uma OPA com uma contrapartida de 11 euros.
A Sonae propõe-se a comprar cada acção da PT por 9,50 euros."

Porém a Sonae debate-se com um problema: "
Se a Sonae subir o preço, arrisca-se a ficar com os pés destapados na sua capacidade de assegurar que a Portugal Telecom, que é um das maiores empresas portuguesas, continua a crescer e a investir". Esta afirmação foi feita por uma fonte próxima de Maria Lino.

Resta agora esperar, para saber que decisão irá tomar Paulo Azevedo. Mas mantenho a minha convicção e esperança que a OPA não tenha sucesso.

domingo, 7 de Janeiro de 2007

O nosso mundo...manipulador

"Não precisa a retórica de conhecer a natureza das coisas, mas tão somente de encontrar um meio qualquer de persuasão que a faça aparecer aos olhos dos ignorantes como mais entendida do que os entendidos."
Esta citação, retirada da obra de Platão, Górgias, escrita no ano de 459 a.C. pode ser representada na sua totalidade nos dias de hoje.
Os oradores deixaram de ser simples pessoas que querem poder, e passaram a ser gananciosos que não olham a meios para atingir os fins, e que todos os dias lutam por objectivos que provam a sua ignorância e desumanidade. Sim, estou a falar dos gigantes poderes económicos que estão por detrás de toda a rede dos media. Estes que muitos julgam os verdadeiros detentores da verdade e os verdadeiros informadores da sociedade, não passam de uma "máquina" ao serviço do poderoso, e por enquanto imparável, poder económico.
Para alguns pode parecer absurdo que pessoas com tanto poder se preocupem com aquilo que é dito pelos media, mas na verdade estes (media), são o seu meio de locomoção. São as suas pernas e sem eles o seu poder estaria ameaçado. Utilizam-no para controlarem a opinião das pessoas. As mesmas pessoas que inocentemente mantêm os seus poderes no topo da sociedade.
Cada uma dessas pessoas forma a sua opinião sobre os mais diversos assuntos, com base naquilo que ouve e lê nos meios de comunicação social (media), uma vez que não tem recursos para outras fontes de informação, sendo assim manipulada de forma constante, sem que se aperceba.

A Política

"Não só há mais beleza no governo do Estado do que no governo de si mesmo, mas...tendo o homem sido feito para a vida social, a Política é, relativamente à Ética, uma ciência mestra, ciência arquitectónica."
Aristóteles

sábado, 6 de Janeiro de 2007

Joe Berardo - Golden Share

Noticiava o "SOL" esta semana, que Joe Berardo está disposto a pagar 200 milhões de euros ou mais pelas 500 acções de categoria A que o estado detém na PT. O empresário Madeirense afirma que o estado terá mais a ganhar com este negócio do que se vender estas mesmas acções na OPA da Sonae. Resta saber como irá reagir Bruxelas, uma vez que estes se opõe à posse das golden-shares dos estados nas empresas europeias.

Previsões e Coincidências

No ultimo post, dizia o vidente que por volta de 4 de Fevereiro alguma coisa iria acontecer ao nosso primeiro-ministro, José Sócrates. Não sei se é verdade ou não, coincidência ou não, mas 4 de Fevereiro é o dia em que José Sócrates volta da viagem que irá fazer à China, a pedido do seu homólogo chinês. Há uns anos, Sá Carneiro morreu num acidente a aviação, o que será que este vidente previu para José Sócrates? Será o fim da sua vida, ou simplesmente o fim da sua carreira politica? Resta-nos esperar e ver o que acontecerá...

terça-feira, 2 de Janeiro de 2007

2007 promete mudança

"Em 2006, José Sócrates, Filipe Scolari e Cavaco Silva tiveram um dos seus anos mais favoráveis.
Mas algo de muito importante irá acontecer mais ou menos na passagem para o ano novo Chinês a 4 de Fevereiro.
Todos os três sofrerão uma volta de 180 graus na sua vida entre Janeiro e Fevereiro.
Quanto mais tiverem subido ou sido aclamados este ano, maior será a queda em Fevereiro.
Scolari tem tido a sorte do seu lado, mas algo levará à sua demissão nesse mês. O mais provável é ser substituído por um 2, como Carlos Queirós ou José Mourinho. De qualquer modo, Scolari cairá em desgraça.
O mesmo irá acontecer a José Sócrates. O seu governo será ferozmente atacado e algo levará à sua queda.
Cavaco Silva irá perder popularidade e terá sérios problemas em Fevereiro. Provavelmente, algo de grave acontecerá em Portugal que afectará a actual conjuntura política.
Quem terá uma boa primeira parte do ano é Paulo Portas e também Marques Mendes. O professor Marcelo Rebelo de Sousa abandonará os comentários na TV."

By: um vidente qualquer

segunda-feira, 1 de Janeiro de 2007

Os Suicidios retratados no Natal

No almoço de dia 25, estava uma família reunida à mesa a comer a tradicional comida de natal, cabrito, quando se iniciou uma conversa sobre suicídios. Inicialmente discutiu-se alguns casos de suicídios já ocorridos, mas rapidamente se passou para a fase da discussão da melhor forma de morrer. Toda a família abordava esta questão, uns defendiam que o enforcamento era melhor, embora houvesse uns breves segundos de sofrimentos, outros que com uma pistola seria bem melhor. A discussão manteve-se durante algum tempo, até que alguém se lembrou de dizer:
"Então e aqueles que se suicidam no metro e param a viva a milhares de pessoas!"
Realmente uma excelente observação. Pensemos então, para chegar a este raciocínio. Uma pessoa que se suicida tenciona ou simplesmente por fim a sua vida por estar infeliz ou maioritariamente apelar à consciência moral dos outros através de um sacrifício seu. Então e porque não apelar a milhares de pessoas, em vez de uma só? Talvez assim, o seu acto tenha alguma consequência positiva para os que cá ficaram!

PS: Não estou a apelar ao suicídio, para alterar a sociedade. Cada um é responsável pelos seus actos e pelos uso desta informação.
Nesta história, apenas a informação é verídica. A situação (cenário onde se desenrola a acção) foi totalmente imaginada.

Ups! Férias

Estivemos agora num período de festas (Natal e Ano Novo) e por esse mesmo motivo estive ausente de férias, tendo-se tornado impossível para mim actualizar o blog. Mas entrámos em 2007 com o pé direito e este ano vai ser um ano recheado de coisas boas, e nada melhor que uma actualização no blog.
Bom Ano para todos

sexta-feira, 22 de Dezembro de 2006

Monsanto e os presentes de natal

Não sei se partilho esta má experiência com alguém, mas como também não consigo guardar isto para mim! Aos 22 dias do mês de Dezembro, estava eu com mais 3 colegas meus (1 deles era uma rapariga), a passear por Monsanto para fazer algum exercício físico, e eis quando à nossa frente,a cerca de 100 metros, estava um homem de calções para baixo a fazer as suas necessidades. Alguns de vocês devem estar a perguntar-se, onde é que ele estava? Pois bem, ele estava mesmo a beirinha do caminho pedestre, existente naquele parque. Assim que nos viu, levantou-se e vestiu os calções (sem limpar nada), e continuou como se nada fosse. A situação já era muito má, mas quando passámos pelo local do crime, tivemos o "privilégio" de ver o presente de natal que aquele amável senhor nos tinha deixado. Uma situação que não quero voltar a ver, e espero nunca mais ter conhecimento de tais actos.

Responsabilidade Social

Nos últimos 20 anos, temos assistido a uma grande mudança no que se refere ao comportamento das empresas. O mercado hoje, e bem, está cada vez mais preocupado com a sustentabilidade das empresas, porque desta sustentabilidade dependem os denominados “stakeholders” isto é os accionistas, trabalhadores, clientes e fornecedores. Embora o lucro continue a ser o objectivo de todas as empresas, estas tomaram consciência da importância da responsabilidade social para a definição da sua estratégia. Podemos pois dizer que a responsabilidade social visa o desenvolvimento de um conjunto de acções que assegurem e reforcem o papel da empresa no médio e longo prazo face às políticas de curto-prazo. É por assim dizer a vitória da estratégia sobre a táctica. E, contrariamente ao que se pensa esta responsabilidade não deve ser uma preocupação apenas das grandes empresas mas de todas, independentemente da dimensão.

A responsabilidade social chama a atenção para a necessidade de políticas, de longo-prazo, nas áreas económicas, sociais e ambientais.

Porquê a preocupação com a responsabilidade social?

O exagero da pressão dos mercados pelos resultados de curto-prazo fez com que muitas empresas adoptassem políticas quase suicidas nas vertentes económicas, sociais e ambientais. A percepção deste facto alertou para a necessidade de estratégias que assegurassem a sustentabilidade futura.

Como se analisa a responsabilidade social?

Através da análise de métricas quer económicas, como robustez financeira, gestão de risco…, quer sociais, como gestão do conhecimento, atracção e fidelização, sistemas de avaliação…, quer ambientais, como gestão da política ambiental, performance eco- eficiência….

Particularizando a análise mais na componente social constata-se que para a sustentabilidade ser um facto é crítico que as empresas assentem a sua gestão na prossecução de políticas que tenham em conta quer o desenvolvimento dos colaboradores quer a flexibilização do trabalho, para a criação de um clima de abertura facilitador da conciliação dos interesses da empresa e do colaborador.

As empresas sensíveis à responsabilidade social aumentarão a fidelização dos seus colaboradores.

Durante os anos 90, as empresas consideravam que o factor crítico para o seu crescimento eram as Tecnologias de Informação (TI). Foi um período, onde qualquer medida que se tomasse, tinha de ser ponderada em função das TI, criando-se uma ideia errada sobre o futuro dos negócios. Porém, a partir do ano 2000, com a entrada num novo milénio, as empresas, foram alterando as suas estratégias. Rapidamente perceberam que hoje as empresas são cada vez mais conhecimento e competências, que estão residentes nos colaboradores. E, por conseguinte hoje o centro das empresas gira à volta destes impérios da inteligência, pelo que ao investir-se em políticas socialmente responsáveis estamos a investir na motivação dos colaboradores e portanto no futuro da empresa.

O conceito de empresa socialmente responsável, não pode confundir-se com o de filantropia.

A empresa socialmente responsável, preocupa-se na dimensão social em facultar políticas de desenvolvimento adequadas através de programas de formação, em trabalhar programas de mobilidade, certificar as competências dos seus colaboradores e em promover espaços de avaliação. Para além disso fazem ainda parte dos seus projectos a existência de horários flexíveis bem como planos de saúde e/ou programas de voluntariado.

Ainda em crescimento, a ideia de empresa socialmente responsável não é ainda partilhada por todos. Segundo um estudo, elaborado a nível europeu, os consumidores assumem, que no momento da escolha têm em conta o empenho das empresas na responsabilidade social e no desenvolvimento sustentável. Alguns deles assumem ainda que, preferem pagar mais por um produto de uma empresa socialmente responsável.

O mesmo estudo, para o universo português revela que os portugueses, ainda não acreditam na responsabilidade social, embora tenham grandes expectativas relativamente a este tema. Consideram ainda que a qualidade dos produtos, o serviço ao cliente, o empenho na responsabilidade social, o respeito pelos direitos humanos e a existência de um ambiente de trabalho seguro e saudável são os factores mais importantes, sobre o quais reflectem quando fazem um juízo sobre uma empresa.

A partir dos vectores em análise facilmente se depreende a importância, cada vez maior, da responsabilidade social de uma empresa, como factor determinante para a construção de uma imagem da empresa. As empresas devem então pensar em redefinir as suas estratégias, para um mercado cada vez mais exigente e transparente (consequência da actual globalização). Para tal é necessário que desenvolvam boas práticas, partilhem experiências e contribuam para uma sociedade mais equilibrada.

Regresso

Antes de continuar a postar neste blog quero pedir desculpa a todos. Durante este ultimo mês foi-me de todo impossível fazer actualizações mas agora vamos recomeçar

terça-feira, 12 de Dezembro de 2006

Será que os traficantes de drogas são todos assim tão estúpidos?

Um homem de Wichita, no estado americano do Kansas, foi preso a semana passada após ter ligado à polícia para comunicar o roubo das suas drogas.
O roubo terá acontecido na quinta-feira, quando um cliente do traficante lhe roubou cerca de mil euros de marijuana, recorrendo ao uso de uma caçadeira.
O «homem de negócios» ligou à polícia para comunicar o roubo. As autoridades chegaram rapidamente... para o prender.
O cidadão, cujo nome não foi revelado, viu a sua casa ser revistada por polícias e cães, que encontraram mais substâncias e material relacionado com o consumo e venda de drogas.
O homem está agora detido na prisão de Sedgwick County, sob a acusação de posse e tráfico de substâncias ilícitas. Já o ladrão continua à solta.

do poste à barra...

Carolina Salgado antiga prostituta numa casa de alterne e antiga companheira de Pinto da Costa, fez, no seu livro, inúmeros acusações a Pinto da Costa. Acusações que valeram a reabertura de alguns processos, já arquivados, do caso "Apito Dourado".
O que é estranho é que a Sra Carolina, que conhecia Veiga, apresentar o seu livro algum tempo depois de todo o escândalo que envolveu este senhor. Mais estranho ainda, é que todas as novidades, relativamente ao futebol português e à corrupção apareçam em cadeia. Podemos pois colocar a seguinte questão:
Será que isto tudo são actos de vingança?
Mais estranho que isto tudo, é o facto de Sra Carolina, antiga prostituta numa casa de alterne, que provavelmente dançaria nos já tradicionais postes, em questão de alguns dias passou a dançar para a barra dos tribunais. Pede agora os estatuto de arrependida, e promete colaborar com a justiça. Colaboração? Não me quer parecer que uma Sra como a Carolina, que trabalhou em casas de alterne, tenha mentalidade para se entregar à justiça, apenas para acusar o homem que deixou para trás (Pinto da Costa). A não ser que tenha grande intimidade com a justiça, ou talvez pretenda voltar a fazer os típicos "serviços" a algum juiz ou magistrado.

quinta-feira, 7 de Dezembro de 2006

Sondagem - mulher como Presidente da Republica

Foi elaborado pela EuroSondagem um inquérito sobre a possibilidade de no futuro termos uma mulheres com o cargo de Presidente da Republica.

O inquérito aborda três questões:
  • A França pode vir a ter brevemente uma Presidente da República. Esse é um cenário possível em Portugal?
  • Há mulheres suficientes na política portuguesa?
  • Esta é uma situação que se inverte criando quotas de participação nas mulheres nos vários orgãos e organizações políticas?

Quanto à primeira questão, sobre se Portugal pode ter uma mulher como Presidente da República:

  • 50,7 por cento dos inquiridos responderam "Claro que sim";
  • 26,2 por cento disseram "Sim, dentro de alguns meses";
  • 16,4 por cento responderam "Não";
  • 6,7 por cento "Não sabem" ou "Não responderam".

Relativamente ao facto de haver ou não mulheres suficientes na política portuguesa:

  • 34,7 por cento defendem que "Sim";
  • 54,5 por cento dizem que "Não":
  • 10,8 por cento "Não sabem" ou "Não responderam".

Sobre a terceira pergunta: se "Esta é uma situação que se inverte criando quotas de participação nas mulheres nos vários orgãos e organizações políticas?":

  • 39,6 por cento acha que "Sim";
  • 50,0 por cento considera que "Não";
  • 10,4 por cento "Não sabem" ou "Não responderam".

______________________________________________________
FICHA TÉCNICA

Estudo de Opinião efectuado pela Eurosondagem, S.A. para o Expresso, SIC e Rádio Renascença, de 29 de Novembro a 5 de Dezembro de 2006.
Entrevistas telefónicas, realizadas por entrevistadores seleccionados e supervisionados, entre as 19 horas e as 22 horas.
O Universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando em lares com telefone da rede fixa.
A amostra foi estratificada por Região (Norte - 20,4%; A.M. do Porto - 14,4%; Centro - 29,2%; A.M. de Lisboa - 26,2%; Sul - 9,8%), num total de 1.028 entrevistas validadas.
Foram efectuadas 1.280 tentativas de entrevistas e, destas, 252 (19,7%) recusaram colaborar no Estudo de Opinião. Foram validadas 1.028 entrevistas, correspondendo a 80,3% das tentativas realizadas.
A escolha do lar foi aleatória nas listas telefónicas e o entrevistado, em cada agregado familiar, o elemento que fez anos há menos tempo.
Desta forma aleatória resultou, em termos de sexo, (Feminino - 51,4%; Masculino - 48,6%) e, no que concerne à faixa etária, (dos 18 aos 25 anos - 14,3%; dos 26 aos 35 - 19,5%; dos 36 aos 45 - 19,6%; dos 46 aos 59 - 22,2%; com 60 anos ou mais - 24,4%).
O erro máximo da Amostra é de 3,06%, para um grau de probabilidade de 95,0%.Um exemplar deste Estudo de Opinião está depositado na Entidade Reguladora para a Comunicação Social.

O Responsável Técnico da Eurosondagem
Rui Oliveira Costa
Lisboa, 06 de Dezembro de 2006

quarta-feira, 6 de Dezembro de 2006

Joe Berardo - OPA da Sonae à PT

Joe Berardo revelou que lhe foi feito um convite para apresentar uma proposta concorrente à de Paulo Azevedo. A iniciativa, do meu ponto de vista, foi fantástica. É necessário que haja iniciativas destas, de forma a que a bolsa portuguesa tenha algum movimento, e que isso ajude o crescimento económico das respectivas empresas e mais importante de tudo de Portugal.
Mas nem tudo podia ser bom! As declarações de Joe Berardo mereceram comentários da CMVM, que desde inicio está contra as declarações do empresário, justificando que se tratou de uma violação de sigilo.
Como tudo, este tema ainda vai dar muito que falar...que o que é importante reter, é o facto de ter existido uma iniciativa deste tipo, para além da já criada "força de bloqueio" dentro da PT.

segunda-feira, 4 de Dezembro de 2006

As aulas de substtuição

O senhor advogado, Santana Maia Leonardo, este fim-de-semana, escreveu um texto de opinião no semanário SOL em que fala sobre as aulas de substituição. Este senhor começa por dizer que está contra as aulas de substituição, pois estes têm uma grande carga horária e compara ao ensino superior, onde não existem aulas de substituição.
O que este senhor se esqueceu, foi do intuito das aulas de substituição. É verdade, que estas não estão a ser dadas da forma correcta, mas não é por isso que são uma má medida por parte do Ministério da Educação.
Se houver uma organização por parte da escola, em que todos colaborem, alunos e professores, pode-se chegar a melhor forma de gerir a situação. Por exemplo, os professores que sabem antecipadamente que vão faltar podem trocar com outros professores as suas aulas de forma a que os alunos não saiam prejudicados. Outros medida que pode ser tomada, é a organização de dossiers/cadernos temáticos, onde o professores que está responsável por uma aula de substituição possa arranjar um tema que esteja de acordo com os interesses da turma (ex: uma turma do secundário na área de ciências, pode falar de um tema da disciplina de f-q; uma turma do secundário na área de economia, pode falar de um assunto relacionado com a evolução da economia em Portugal). Ainda outra forma, esta mais difícil de por em prática, é haver sempre um professor de cada disciplina pronto para dar aula de substituição. Muito dificilmente, faltará na mesma hora dois professores da mesma disciplina.

sábado, 2 de Dezembro de 2006

Balanço do mundo do futebol

Este fim-de-semana desportivo ficou marcado, por 2 derbi, ganhos por 2-0 cada um deles. Em Lisboa, o Sporting vs Benfica, no Porto, o Porto vs Boavista.
Na capital, o Sporting de Paulo Bento não consegui jogar com, tranquilidade, e acabou por perder por 2 bolas. Apesar da derrota a equipa vai tentar manter a tranquilidade.
Já sem tanta tranquilidade, na invicta, o Porto bateu o Boavista por 2 bolas também.
Assim, a classificação fica:
- Porto 31
- Sporting 26
- Benfica 22 (menos 1 jogo)
- Braga 20

PS: Não se esqueçam que o porto o ano passado, conquistou o 1º lugar à 5ª jornada, e não mais o largou, consagrando-se Campeão Nacional. Este ano foi à 4ª jornada, e para o mesmo destino caminha!

Batatas e Cenouras

Todos nós sabemos e temos consciência de que em Portugal as grandes e actuais famílias "ricas" em Portugal, umas já têm hierarquia outras ganharam-no por meios menos correctos ou duvidosos. Exemplo disso são aqueles senhores dos grandes supermercados que levam vidas de executivos, vendem a preços altamente baixos e muito difíceis de haver competição, mas depois quando se vai a ver a questão mais a fundo são capazes de não pagar aos produtores das batatas ou das cenouras!
E é assim que em meia dúzia de anos, as contas bancárias passam do saldo negativo, para os muitos 000. E ainda há alguns que se perguntam como? e porquê?

Responsabilidade Social

Na passada quinta-feira, tive oportunidade de assistir na livraria Barata, na Av. de Roma, a uma sessão, organizada pela UAL, sobre Ética Empresarial, Responsabilidade Social e Desenvolvimento Sustentável.
Relativamente à Responsabilidade, foi referido por um dos oradores, que durante os anos 90s as empresas estavam viradas, para a área da TI (Tecnologias de Informação). Tudo o que fosse TI era bom, era o melhor e levava as empresas ao sucesso. Contudo, felizmente, 2000 foi um ano de mudança. A partir daí as empresas mudaram a sua postura e tornou-se uma questão central da sua estratégia a Responsabilidade Social. Através de vários projectos, as empresas devolvem à sociedade aquilo que através da sociedade ganharam. Um pouco à semelhança do que está a acontecer nos EUA, onde alguns filantropos, como Bill Gates, estão a dar de volta à sociedade uma parte do que ganharam, com essa mesma sociedade. Desta forma, a sociedade embora bastante dividida e desigual, pode aos pouco tornar-se mais justa através desta papel fundamental, desempenhado pelas empresas.